Humanização e Qualidade

A área da Qualidade e Humanização é um órgão multidisciplinar de apoio técnico e operacionalização de projetos, dependente da Comissão da Qualidade e Segurança do CHUA.

Esta área de trabalho tem como propósito a promoção de processos de qualidade e a humanização dos cuidados prestados, promovendo a articulação de esforços entre os vários intervenientes e servindo como elo de ligação entre as várias estruturas hospitalares, procurando centrar a nossa atividade nas pessoas.
Os princípios orientadores da Política de humanização do CHUA são:

1. SEGURANÇA DO DOENTE, não podemos falar de serviços humanizados se estes não garantirem a segurança em todo o momento, tanto para o doente como para a sua família e para os profissionais. O CHUA tem estabelecido uma política de segurança que inclui o tratamento responsável dos riscos, desde a sua identificação, classificação, priorização e gestão até à disseminação de barreiras de segurança para diminuir o seu impacto;

2. MELHORIA CONTINUA DOS PROCESSOS, principalmente os processos diretamente ligados aos cuidados, que devem estar orientados para o cumprimento das necessidades e satisfação dos doentes;

3. GESTÃO DA DOR, independentemente do tipo de cuidados, é necessário otimizar os recursos humanos e técnicos disponíveis, na busca de uma experiência curativa e humanizada;

4. CUIDADOS HUMANIZADOS, transmitir ao doente e à sua família calor humano legítimo, gerar empatia, ter uma atitude diligente e otimista de forma a proporcionar um ambiente agradável aos doentes e aos profissionais;

5. COMUNICAÇÃO ASSERTIVA, que é conseguida quando se gera confiança e se estabelecem canais de comunicação eficazes, que nos permitem ouvir as necessidades, sentimentos, desejos e opiniões do doente e nos permita comunicar de forma clara e empática a informação que se pretende e de acordo com a condição de cada doente;

6. INFORMAÇÃO, a forma como informamos o doente e a sua família deve ser clara, completa e suficiente, permitindo a tomada das decisões que lhes pareçam mais adequadas face ao seu estado de saúde. O consentimento informado é o ato médico onde se informa o doente das alternativas terapêuticas para a sua doença, os benefícios e riscos das mesmas, formando parte fundamental da relação médico-doente, sendo também uma obrigação legal e ética;

7. FIDELIZAÇÃO DO DOENTE, que consiste na lealdade do doente quanto à instituição de saúde que escolhe para si sempre que tiver a necessitar de cuidados de saúde, estabelecendo-se assim uma relação estável e duradoura.

*Informação produzida pelo Gabinete de Qualidade e Humanização do CHUA

A Equipa de Apoio Psicossocial (EAPS) do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) surge na sequência de uma candidatura ao Programa de Apoio Integral a Pessoas com Doenças Avançadas.

A EAPS, à semelhança de outras distribuídas pelo país, tem por base os princípios orientadores da Fundação “la Caixa” (entidade bancária com sede em Espanha), sendo que o CHUA constitui-se como Entidade Colaboradora (EC). Ainda assim, e porque são reconhecidas as dinâmicas específicas e organizacionais de cada EC, é benéfica a adequação de estratégias interventivas que tenham em conta a realidade psicossocial de cada área do ponto de vista das suas dinâmicas (e.g., recursos existentes e características geográficas).

A configuração das EAPS é flexível e adaptável às necessidades de apoio dos doentes e seus familiares, independentemente da sua localização, tendo como objetivo a promoção de um apoio integral e integrado.